© 2019 Bartleby Toon

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black YouTube Icon

episódio 2 | olhó passarinho

Inquieto, observou o serrote como se procurasse alguma coisa numa sala vazia. 

Perplexo, Magritte perguntou: Onde está o passarinho?

Com a ironia do abandono dos putos, a gaiola quebrada sorria para a intriga que o reconhecido 

invocador de cachimbos ausentes acabava de criar. Se os ceci n'est pas une pipe atraiçoaram umas conveniências semióticas - e parece que foi uma chatice! -, agora, a espontaneidade silvestre da sua reação evocava a presença na ausência. Era como se dissesse: isto é um passarinho. Enquanto apontava para a dentadura solitária do serrote, para uma gaiola abandonada, fazendo acender-se

um passarinho com o peso de uma montanha.

A usura da forma das coisas secamente coisiificadas - como Magritte nos ensinou através das suas imagens de cachimbos - assombra-as do vazio factual dos artifícios. O poder mágico da poética está

no próprio artifício enquanto jogo e nunca na mera materialização. O passaroco, imagem fácil na

memória de qualquer um, abandonou-nos a tempo de se salvar de o tornarmos um troféu delicodoce

e ensinou-nos a sonhar. Se o que vemos é menos do que o que sonhamos, provavelmente, estamos

no bom caminho.

[ António Pinto, 2019 ]